carta amarela #134 – comparações

carta amarela #134 – comparações

São Paulo, 7 de fevereiro de 2017

Querido amigo,

Domingo de tardinha foi dia de calçar o tênis mais velho pra andar por aí. Ouvir Amarante cantar Evaporar, comprar uma ‘long neck’ no posto da esquina e lembrar com os amigos de tempos tão próximos mas já tão distantes. Anoiteceu e fomos pra casa de uma amiga comer comida mexicana e assistir a Lady Gaga no intervalo do Super Bowl. Foi desses dias bons, de sol e calor. De ver pessoas queridas e aproveitar o fim do …

leia mais →

#133 – renascer

#133 – renascer

São Paulo, 16 de janeiro de 2017

Querido amigo,

Falamos tanto, tanto em crescer. Em como o tempo passa rápido. Os anos passam, a gente muda um pouco, mas somos apenas uma transição do ontem. O ontem. Latente. Daquelas memórias que se tornam ouro. Pensar em glórias. A glória de perder um dente e ver crescer outro, novinho. De sentir um corte rasgando o peito pra um tempo depois ver pulsar um outro coração, novinho. A força em chegar lá. Sempre. Mais e mais pra lá. Longe o …

leia mais →

preferidos de 2016: livros e cartas amarelas

preferidos de 2016: livros e cartas amarelas

No segundo post de listas de 2016, meus livros e cartas amarelas preferidos nesse ano que passou. Como nas outras listas, estão em ordem alfabética, não num ranking. Os livros e cartas preferidos em: 2015 – 2014 – 2013 – 2012.

 

livros

 

 

nora webster, de colm tóibín

Nora Webster é um bonito e tocante retrato da experiência de uma mulher solitária e triste, que ficou viúva há pouco tempo. Da dificuldade de uma mulher em expressar o que gostaria em meio a sociedade irlandesa do final dos anos …

leia mais →

#132 – 6 anos

#132 – 6 anos

São Paulo, 15 de dezembro de 2016

Querido amigo,

Faz 6 anos que comecei a aprender realmente a cozinhar, acho. 6 anos que comecei a entender o que era escrever também. foi em 15 de dezembro de 2010 que publiquei meu primeiro sorriso como cozinheiro num lugar que na época se chamava ‘moldando porções de afeto’. Nesse tempo aprendi a misturar sabores. Aprendi a quantidade certa de água que preciso colocar pra misturar as cores da aquarela. Aprendi que não importa o quanto a dor aperte aqui …

leia mais →