wanderlust #1 – lot e aveyron – o lugar

wanderlust #1 – lot e aveyron – o lugar

Wanderlust é aquele desejo forte e inato de andar e viajar por aí. Conheço muitas pessoas que se sentem assim. Acho que a gente sempre começa as viagens dentro da gente mesmo. Sinto um brilhar nos olhos, uma inquietação grande em conhecer coisas que nunca vi ou mesmo ver pequenas novas coisas em caminhos que já passei diversas vezes.

Meu primeiro destino a contar por aqui foi o destino do coração: Ano passado fui conhecer a terra onde meu amorinho nasceu e cresceu, onde moram meus sogros tão simpáticos, cunhada, cunhado, sobrinho e a sobrinha mais risonha da vida, que só me chama de “monsieur guiômê” e que só foi me dar um abraço daqueles mais gostosos depois que eu fiz um bolo pra ela.

lot_aveyron_02

Eu nunca tinha ouvido falar muito dessa região da França, no sudoeste, mas fui descobrir que era ali que se encontrava muitas das preciosidades gastronômicas que comi enquanto em Paris: é dali que nasceu um dos queijos mais famosos do mundo, o Roquefort, que infelizmente não consegui conhecer a cidade nem a produção do queijo – fica pra uma próxima. É dali que vem dois dos queijos mais deliciosos do mundo pra mim: o Tomme e o Cantal. É com esses queijos que é feito o famoso aligot, comida típica da região. Precisei contar aos aveyroneses que o chef mais famoso do Brasil faz o aligot em seu restaurante, mas usando queijo gruyère. Ficaram ofendidíssimos e já anotaram o D.O.M. na lista de restaurantes pra nunca ir na vida!

Mas antes de falar da comida em si, queria falar da beleza da região. Muito se fala na Provence, mas achei essa região muito mais charmosa. Quando postava fotos no instagram me diziam: parece que você está num filme da Disney! E a sensação era um pouquinho essa mesmo. Cheguei na região de trem. Não existe TGV (o trem rápido) de Paris a Figeac, então é preciso pegar um trem normal mesmo, partindo de Paris. São cerca de 6 horas de viagem, partindo da Gare de Austerlitz. De avião é mais rápido, dá pra pegar um vôo Paris a Rodez, a maior cidade da região.

lot_aveyron_03 lot_aveyron_04 lot_aveyron_05

Figeac é uma cidade gostosa pra dar uma volta a pé, descobrir a grande versão da Pedra de Roseta que existe em um dos cantinhos da cidade. É que foi lá que nasceu Jean-François Champollion, o linguista que conseguiu decifrar a Pedra de Roseta (que fica no British Museum, em Londres). Dali é perto de ir a Rocamadour, o segundo lugar mais visitado da França (fora Paris) depois do Mont Saint-Michel: uma cidadezinha incrustada numa rocha que atrai milhões de peregrinos que querem além de visitar a Virgem Negra, fazer o mesmo caminho de Santiago de Compostela: subir os 216 degraus de joelhos até a cruz de Jerusalém que fica no topo de tudo. Apesar de não ligar para a parte religiosa, Rocamadour é impressionante: em uma colina vertical construíram toda a estrutura da cidade, que se mistura entre casinhas, igrejas. É impressionante como a gravidade nunca colocou uma estrutura tão vertical no chão.

lot_aveyron_06 lot_aveyron_07 lot_aveyron_08

Aproveitei também pra conhecer a cidade preferida dos franceses, numa eleição feita em 2012: Saint-Cirq Lapopie. Antes de mais nada é preciso dizer que é necessário um carro pra chegar nessas cidadezinhas menores. Não se pode entrar carro nelas, elas costumam ter estacionamentos próximo à entrada, e por ali se anda a pé. Acho que isso até contruibui pra sensação gostosa de estar passeando em algo que vem de tempos muito antigos. Saint-Cirq é dessas cidades que praticamente tem só uma rua, você vai andando, vendo os restaurantezinhos, os pequenos lugares de artesanato, cachorros e crianças correndo pela rua. E vai subindo até um mirante de onde dá pra ver muito da região, lugar de agricultura. Aproveitei pra comer Cassoulet ali, outro prato famoso francês que é típico do sudoeste da França. Mas conto mais sobre isso amanhã.

lot_aveyron_09 lot_aveyron_10 lot_aveyron_11 lot_aveyron_12

Najac é linda, linda. tem um castelo que vale a visita. É legal observar que nessas pequenas cidades muito antigas a gente vai atravessando uma rua só, longa, cheia de casinhas de pedra, para chegar em algum lugar como aqui se chega ao castelo. São ruínas de uma outra época, sempre lugares onde se tem vistas incríveis – não é atoa que eram construídos em lugares altos para a própria proteção e vigia do lugar. Algo que achei incrível é que na entrada das cidades da região costuma ter uma placa que indica o quão florida a cidade é. Cada cidade tenta ser a mais florida da região e cada cidadão tenta ter a casa mais florida da cidade também, e isso é algo maravilhoso de se ver. Muitas casas de pedra, cobertas por flores onde for.lot_aveyron_13

lot_aveyron_14 lot_aveyron_15 lot_aveyron_16

Foi em Belcastel onde comemorei aniversário de namoro. É das mais românticas das cidadezinhas. Por algum acaso, era dia de casamento na igrejinha de lá. A cidade fica toda de um lado do rio, subindo o morro. Atravessando a ponte para o outro lado, a igreja. E muita felicidade naquele nublado dia de verão por ali. Quis sentar na beirada da janela do restaurante pra poder ver a vida feliz no casamento do outro lado do rio.

lot_aveyron_17 lot_aveyron_18 lot_aveyron_19 lot_aveyron_20

Atravessávamos as estradas de carro, ouvindo a rádio RFM, uma rádio nostálgica francesa que toca muito mais coisas dos anos 60, 70, 80 e 90 do que coisas atuais. Faltou muito pra eu conhecer tudo o que tinha pra conhecer no Lot e Aveyron, mas preferi aproveitar os dias como eles vieram: nos dias de sol quis sentar entre os campos floridos na beirada da estrada pra desenhar um pouco. Comer de tudo o que eu encontrasse pela frente.

lot_aveyron_21 lot_aveyron_22 lot_aveyron_23

Não existem muitos museus ou grandes atrações turísticas por ali. A grande atração mesmo, pra mim, era poder sair andando por todas as ruelas que existissem em cada cidadezinha que passei. Era poder passar um dia em casa com a família do namorado na beirada da piscina. Brincar um pouquinho com a pequena Cali. Ouvindo as histórias sábias do senhor André, passear pelos mercados pra descobrir coisas que eu nunca tinha visto. Aproveitar aquele sol de verão que saía bem cedinho e só se punha por volta de 9 da noite. Descobrir um local que eu pouco tinha ouvido falar na vida, mas que me fez descobrir novas coisas para as minhas próprias vivências. E ouvir de uma boca risonha cheia de bolo: “monsieur guiômê, vous voulez boire du thé ?”

lot_aveyron_24 lot_aveyron_25

Nenhum destino é certo no mundo. Mas destinos podem ser os certos pra sua vida em certos momentos. Em viagens somos eternos solitários em frente a um mundo novo, a experiências novas que nos fazem ver nossas próprias nuances internas. É como a convivência. Acho que nessa viagem aprendi que sempre que viajo volto sendo alguém melhor. Com novos conhecimentos. Novas experiências. E também, com menos medos nessa bagagem pesada que carrego sobre as costas.

wanderlust #1

parte 2: a comida

parte 3: receita de truffade

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×
  • Mariana D. diz:

    Que lugar é esse??? Que coisa mais maravilhosa e cheia de afeto! Sua cara!

    • gpoulain gpoulain diz:

      pois é, achei uma delícia de conhecer e é um lugar que eu devo voltar. só não moraria porque acho que eu necessito viver numa cidade grande! haha. um abraço!

  • Kk Peixoto diz:

    Descobri agora o que é aligot! Quero receita!!!!

  • Anna Júlia diz:

    Gui! É incrível! Cada vez me identifico mais com seu blog! Sempre adorei sua maneira de escrever, a leveza que consegue falar de sentimentos, a delicadeza de quem é atencioso aos detalhes. Sim, sofisticado realmente o define. Além disso, sou mineira, morei em Belo Horizonte nos últimos três anos. Nos finais de semana de visita a casa da vó,costumava fazer bolos e lanchinhos inspirados nas receitas aqui do blog, um gesto de carinho que tem se tornado um hobby e me faz sempre voltar aqui. Hoje, no entanto, o meu prazer ao ler esse post foi maior ainda, pois pelos próximos meses viverei em uma cidadezinha do sudoeste francês chamada Albi (~50.000 hab.). As construções daqui são muito parecidas com as da fotografia da primeira cidade, aqui já provei o magret de canard e em breve pretendo provar o cassoulet. Estive também em Najac e amei! A vista é incrível! A sensação de estar numa outra época é muito válida. Já anotei aqui como próximos roteiros Saint-Cirq e Belcastel. Como troca, talvez valha a pena lhe indicar também Carcassone, que foi considerada uma das mais bonitas cidades medievais europeias. Enfim, só queria compartilhar mesmo a felicidade que me proporcionou hoje em especial. O blog está cada dia mais lindo e o conteúdo super! Merci, M. Guillaume! Beijos.

    • gpoulain gpoulain diz:

      ei Anna Júlia!
      fico super feliz de ler isso! delícia que já moldou muitos bolinhos com afeto por aí.
      não conheço Albi, mas ainda quero conhecer mais do sudoeste quando der. experimente mais da comida daí mesmo, eu amo tudo! haha
      Najac é linda mesmo, amei ir até o topo do castelo. passe sempre por aqui pra contar da vida, do sudoeste, de tudo.

      bisous

    • Carol diz:

      Ola Anna Julia, vou me intrometer na sua conversa com o Gui pra te pedir uma luz. Estou com planos de ir ate ai (pra essa regiao) em janeiro. Pelo que voce conheceu, escutou e talvez ja saiba, como eh essa epoca por ai? O inverno eh rigoroso com frio negativo, chuva/neve, muitos dias cinza? Voce acha que valeria a pena pra passear?

      Se voce puder ajudar a clarear as ideias, vou ficar muito agradecida. Se nao, tudo bem, foi uma tentativa. :)

      Beijo e tudo de bom!

  • Maira diz:

    Gui

    Dá pra ser menos fofo?rs

    Fui conhecer seu trabalho através do blog da Lu quando ela casou e fiquei ainda mais apaixonada pela sua arte nos vídeos do Chefe e a Chata…parabéns pelo blog, pela delicadeza e cuidado ao nos contar as suas aventuras por esse mundão de Deus.

    Boa sorte em sua nova temporada em Paris…que dê tudo certo e que você volte renovado.

    Bjocas

  • BA MORETTI diz:

    que louuucura de lugar
    essas fotografias me deixando morta de vontade de conhecer
    tudo lindo

  • jusciene mendes diz:

    Que lugar lindo…. Adorei bjs

  • Mari diz:

    Que cidades liiiindass..me encantei!
    Parece que estacionaram nos anos 40!
    Que encanto essa saint-cirq!
    amei amei amei Gui <3

  • Carol diz:

    Ola Gui!
    Olha so: estamos minha mae e eu muito tentadas a ir ate o sudoeste da Franca… por causa desses seus relatos e das lindezas que voce retratou. :) So que ela vem em janeiro, no meio do inverno, e fiquei pensando se seria uma boa ideia. Ate procurei algo sobre a meteorologia. Claro, os dias serao frios, mas seria bacana se a gente nao acordassem muito frequentemente com dias muito cinza. Nao sei se voce saberia falar se vale a pena ir mesmo assim. (to ate escrevendo pra Anna Julia ali de cima, as vezes ela tambem pode clarear as ideias)

    Ou entao, pela suas experiencias e viagens pela Franca, voce poderia sugerir algum lugar pra essa epoca que vem a sua cabeca? Lugares fora de Paris mesmo.

    E muito obrigada pela delicadeza distribuida! Depois de te ler, da uma leveza, janelas se abrem! 😉

  • Jojô diz:

    Que delícia de post, Gui! Está me inspirando no planejamento das minhas férias de setembro. Sou apaixonada por Paris, mas pouco conheço do interior da França! Adorei a ideia se fugir do óbvio e ir para um lugar mais escondidinho! Acho essa a parte mais legal de uma viagem, fingir que pertence ali aquele lugar!
    Nunca tinha ouvido falar de Lot e Aveyron, mas a região está bem cotada pra mim agora! :)
    Obrigada pelo post inspirador!

    • gpoulain gpoulain diz:

      ah, que bom que gostou! eu conheci muitas regiões da França e sou apaixonado por todas! cada lugar é particular. um abraço!

Deixar uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>